Eu amo demais bichos, amo-os o bastante para saber que eu amaria tê-los aqui no meu cafofo de Curitiba mas que não teria condições de cuidar dele da maneira como ele merece.

Uma das coisas que mais me incomodam na vida é a insensibilidade das pessoas com seus bichinhos de estimação, algumas os tratam como se fossem meros objetos, adornos ou bichinhos de pelúcia, não vêem que ali tem um ser vivo que é capaz de sentir, de transmitir amor e carinho para seus companheiros (não acredito que nós somos donos de ninguém, somos companheiros de nossos bichos), que sentem dor, que sentem tristeza, seu bichinho é um bebê, a Latifinha, pelo menos pra mim, é.

Sexta passada saí com a minha mãe para ir à casa das artes comprar umas coisas, a casa das artes fica no plano piloto (área relativamente nobre do Distrito Federal) paramos um pouco longe, perto do HRAN, e ali perto, bem na beirada da pista, tinha nada mais nada menos que um cadáver de um cachorro, já inchado, já em decomposição e fedendo, poderia ser um cachorro qualquer vira-lata, de carroceiro, mas nos chamou a atenção de quem deixou o corpo ali tomou o cuidado de colocar sacos plásticos na cabeça e na parte de trás do bicho, justamente as áreas que saem alguns excrementos. Chegamos a conclusão que era um cachorro que tinha dono e que seu dono não era uma pessoa sem esclarecimentos.

Achei a cena absurda e muito triste. Como alguém pode descartar dessa maneira um ser que deu alegrias à ele? Um cão não merece a mesma dignidade na hora de morrer que alguém humano da sua família?

Enfim, eu já perdi três cachorros de formas muito inesperadas, e bastante tristes por sinal, em todos eles tomamos o cuidado de dar o fim certo à seus corpos. Se você tem dúvidas de como se procede ligue para o veterinário de seu cão e peça orientações. Quando o primeiro cachorro morreu havia em Brasília um cemitério público de animais e lá enterramos ele, tinha até uma plaquinha com o nome dele, como se fosse uma pequena lápide. Porém quando as outras duas morreram esse cemitério estava desativado e então as deixamos no veterinário para que ele encaminhasse elas para cremação, não ficamos com as cinzas nem nada, não sei dizer se meus pais pagaram por isso.

Portanto querido leitor, se você tem bichinhos cuide deles na velhice, não os abandone nesse momento difícil, porque eles não te abandonariam se você estivesse na mesma situação. Quando for a hora deles partirem tenha o mesmo cuidado que você teria com um ser humano que você ama e amou em vida, se informe, dê um pouco de dignidade na morte de seu bichinho.

Latifa sabe que com ela é na saúde e na doença, na alegria e na tristeza!